Glossário de Termos Utilizados na Intragov

 

Termo Descrição
ACL
(Access Control List)
Lista de controle de acesso que é configurada em equipamentos de comunicação de dados tais como roteadores, contendo regras de permissão e bloqueio de tráfego, baseadas em informações contidas no cabeçalho dos pacotes, tais como endereços de origem e de destino, protocolo utilizado e número de porta.
Anti-DDoS É uma funcionalidade do STI que monitora o tráfego, detecta e faz a mitigação de ataques volumétricos na rede, separando o tráfego legítimo do malicioso.
AS
(Autonomous System)
Sigla utilizada para definir um Sistema Autônomo na Internet, sendo constituído de roteadores locais e de linhas de comunicação, funcionando sob uma mesma administração técnica e mediante procedimentos próprios de roteamento interno.
Auto-redundante Característica que define o processo automático de transferência das tarefas entre elementos quando da falha de um deles, reduzindo o risco de inatividade ou de interrupção desta tarefa.
Backbone Espinha dorsal de uma rede constituída por nós de comutação interligando pontos, formando uma grande via por onde trafegam informações. Sua estrutura é constituída basicamente por equipamentos de grande capacidade de processamento de sinais, interligados por circuitos de alta capacidade.
Banda Em telecomunicações, se refere a capacidade de transmissão de informação de um circuito ou uma rede, expressa em bits/s (bits por segundo).
BGP-4
(Border Gateway Protocol version 4)
Protocolo de roteamento utilizado na Internet global para a troca de informações de roteamento dentro de um AS ou entre AS distintos. Tal troca de informações se dá no contexto de sessões BGP4, estabelecidas entre pares de roteadores localizados em diferentes AS.
Borda do AS GESP Recursos necessários para implantar o roteamento BGP do AS GESP, incluindo as interfaces de conexão com a Internet, com a Rede IP Multisserviços e com as redes de âmbito local.
Broadcast/Multicast Storm Control Mecanismo de controle de mensagens Broadcast/Multicast Storm que ocorre em processo de loop, quando uma mensagem gera uma resposta que por sua vez gera uma nova mensagem, criando-se assim um efeito de enxurrada de mensagens.
Capacidade do Acesso Capacidade de transporte de informação do acesso ao backbone da Rede IP Multisserviços, expressa em múltiplos de bits/s (bits por segundo).
Capacidade nominal Capacidade do acesso correspondente a um dos valores padrão de mercado, expressa em múltiplos de bits/s (bits por segundo).
Capacidade útil Banda associada a cada classe de serviço, expressa em múltiplos de bits/s (bits por segundo).
CIDR
(Classless Inter-Domain Routing)
Roteamento entre domínios, constituídos por blocos de endereços IP, sem respeitar as classes definidas no protocolo IP versão 4 (IPv4), utilizando máscaras de rede de tamanho variável que permitem flexibilidade na criação de blocos de endereços.
Circuito Enlace para transmissão de sinal entre dois pontos com equipamento de terminação em cada ponta.
Classe de Serviço Método utilizado para segregar o tráfego possibilitando tratamento diferenciado de modo a compatibilizá-lo com os requisitos das aplicações.
Conectividade IP Atributo de conexão lógica entre hosts de uma rede de comunicações, utilizando o protocolo IP.
CPE
(Customer Premises Equipment)
Equipamentos instalados nas dependências do cliente para permitir a conexão física e lógica da rede local (LAN) com a rede de telecomunicações.
DHCP
(Dynamic Host Configuration Protocol)
Protocolo que permite que equipamento conectado a rede IP receba endereço IP e máscara de rede, automaticamente através de um servidor, e, opcionalmente, informações adicionais de configuração do protocolo IP, tais como gateway padrão e IP do servidor DNS.
DHCP Relay Host que atua na rede local como uma extensão do servidor DHCP instalado em rede remota.
DNS
(Domain Name System)
Serviço hierárquico da Internet que realiza a tradução de nomes de domínios para endereços IP.
DNSSEC
(Domain Name System Security Extensions)
Padrão internacional que estende a tecnologia DNS, reduzindo o risco de manipulação de dados e domínios forjados.
DSCP
(Differentiated Service Code Point)
Modelo de marcação de pacotes com base em códigos, os quais serão utilizados para a priorização de tráfego e proporcionar qualidade de serviço em redes IP.
Endereço MAC
(Media Access Control)
Endereço físico da interface de um dispositivo de rede, utilizado para transporte na camada 2 (Enlace) do Modelo OSI.
Enlace Meio de transmissão de sinal de um circuito.
Ethernet Padrão usado para a conexão física de redes locais (LAN Ethernet) ou de longa distância (Metro Ethernet), que descreve protocolo, cabeamento, topologia, mecanismos de acesso ao meio de transmissão e envio/recepção de quadros da camada de enlace do modelo OSI.
Filtro de conteúdo Função de controle de acesso a conteúdos da Internet com seleção de pacotes na camada de rede.
Firewall Dispositivo de segurança que limita o acesso de terceiros a determinada rede ligada à Internet, com diversos tipos de mecanismos de controle por software e hardware.
Flow Control Controle de fluxo definido pela IEEE 802.3x que consiste em gestão específica de filas.
FQDN
(Fully Qualified Domain Name)
Nome de um domínio que especifica a sua exata localização na hierarquia do sistema de nomes domínios (DNS) da Internet.
Full routing Característica em que todas as tabelas de roteamento são trocadas entre dois roteadores BGP.
GMUD
(Gerência de Mudanças)
Procedimento para a realização de intervenções (alterações, instalações ou reconfigurações) em sistemas ou em ambientes de telecomunicações ou processamento de dados.
H.323 Padrão da família H.32x de recomendações ITU-T (International Telecommunication Union - Telecommunication), que trata de "Sistemas Audiovisuais e Multimídia", com o objetivo de especificar sistemas de comunicação multimídia em redes baseadas em pacotes, sem garantia de qualidade de serviço (QoS), para codificação e decodificação de fluxos de dados de áudio e vídeo, garantindo interoperabilidade entre produtos de diversos fabricantes.
HMM
(Hora de Maior Movimento)
Hora em que a utilização de um recurso é máxima ao longo de um dia.
Host Qualquer computador, desde computador pessoal a supercomputador, dentre outros equipamentos como roteadores, conectado a uma rede.
Hostname Nome dado ao host, que serve para identificá-lo na rede com mais facilidade do que através de seu endereço IP.
Hot swap Processo que permitir a substituição de módulos em um equipamento, sem a necessidade do seu desligamento.
ID
(Identifier)
Código de identificação atribuído como referência a um elemento de rede utilizado para a prestação de serviços.
IDS
(Intrusion Detection System)
Sistema de detecção de intrusão, instalado em um servidor com o objetivo de analisar o comportamento do tráfego com a Internet de forma individual, a fim de alertar e identificar ataques e tentativas de acessos indevidos ou mal intencionados, tendo por base um conjunto de regras previamente estabelecido pelo administrador da rede.
Informações Multimídia Sinais de áudio, vídeo, dados, voz e outros sons, imagens, textos e outras informações de qualquer natureza.
Inspeção stateful Mecanismo de análise de tráfego de pacotes em uma rede de telecomunicações, utilizada em sistemas de firewall e de controle de conteúdo, baseada no estado da transmissão de pacotes.
Integridade Garantia de transporte de informações em rede de telecomunicações sem adulteração ou manipulação por terceiros.
Internet Coleção de redes locais interligadas em âmbito internacional para troca de informações diversas baseada no protocolo IP.
Interoperabilidade Capacidade de haver troca de informações entre as aplicações que estiverem sendo processadas nos computadores, de forma que tais informações possam ser utilizadas para se atingir objetivos comuns, tais como trabalho cooperativo, integridade, segurança dos dados e independência de equipamentos.
IP
(Internet Protocol)
Protocolo responsável pelo roteamento de informações entre os diversos dispositivos de uma rede privada ou de uma rede pública, como a Internet.
IP loopback Endereço do protocolo IP atribuído a uma interface virtual do roteador.
IP privado Conjunto de endereços do protocolo IP definido pela RFC1918, não divulgados na Internet.
IP público Conjunto de endereços do protocolo IP definido pela RFC1918, divulgados na Internet.
IPS
(Intrusion Prevention System)
Sistema que busca prevenir tentativas de intrusão em uma rede, observando o comportamento do tráfego e o comparando com um conjunto de regras previamente estabelecido pelo administrador da rede, que, percebida a tentativa de intrusão, bloqueia o tráfego do invasor e emite alerta ao administrador da rede relativo ao evento.
Isolamento lógico Técnica que permite o isolamento entre redes virtuais de telecomunicações que compartilham recursos físicos, de forma a manter a confidencialidade e a integridade das informações em cada rede virtual, quando do transporte de informações.
ITU-T International Telecommunications Union - Telecommunication - Grupo de padronização de telecomunicações da União Internacional de Telecomunicações (UIT).
Jumbo Frames Quadros Ethernet com mais de 1.518 bytes.
LAN
(Local Area Network)
Rede privada de comunicações digitais que interliga, em alta velocidade, terminais e computadores dentro de uma área específica, tal como um edifício ou um complexo industrial.
Link Aggregation Método utilizado para agregação de portas Ethernet do CPE, padronizado pelo IEEE (padrão 802.3ad), visando constituir porta com capacidade correspondente à soma das capacidades das portas Ethernet agregadas.
Log Termo utilizado para descrever o processo de registro de eventos relevantes em uma rede de telecomunicações ou em um sistema computacional, que pode ser utilizado para restabelecer o estado original da rede ou do sistema ou para que o administrador conheça o seu comportamento no passado, bem como para auditoria e diagnóstico de falhas.
Mecanismo de QoS Técnica para aplicação de regras de condicionamento da entrada do tráfego IP em rede de telecomunicações, através da classificação e da marcação do tráfego oriundo da rede local interligada à rede de telecomunicações.
Mesh Malha de infraestrutura física capaz de prover mais de uma rota para o transporte de dados entre a origem e o destino.
MIB
(Management Information Base)
Coleção estruturada de informações de um elemento gerenciado de uma rede de telecomunicações, organizadas em grupo e necessárias para o gerenciamento e o monitoramento (padronizadas MIB-II) dessa rede.
Middleware Programa de computador que faz a mediação entre outros programas, executando serviços de identificação, autenticação, autorização, gerência da entrega de mensagens, dentre outros.
NAT
(Network Address Translation)
Técnica que consiste em reescrever os endereços IP de origem de pacotes que passam por roteador ou firewall, para que um computador de uma rede interna tenha acesso a uma rede pública, e vice versa.
Next hop Parâmetro utilizado em roteamento de redes com a finalidade de informar ao roteador o próximo salto no caminho percorrido pelo pacote de dados entre a origem e o destino a ser alcançado.
NOC
(Network Operations Center)
Local em que se centraliza a gerência de uma rede de telecomunicações, pública ou privada, de modo que, através de plataformas de sistemas de gerenciamento que monitoram os elementos gerenciados, os operadores podem saber, em tempo real, a situação de cada elemento da rede e tomar as decisões para restabelecer suas condições normais de funcionamento em caso de ocorrências de falhas.
OSI
(Open Systems Interconnection)
Modelo conceitual de protocolo com sete camadas, definido pela ISO (International Organization for Standardization), para a compreensão e o projeto de redes de computadores. Trata-se de uma padronização internacional para facilitar a comunicação entre computadores e sistemas de diferentes fabricantes.
OSPFv2
(Open Shortest Path First version 2)
Protocolo de roteamento dinâmico que utiliza métricas que levam em consideração os custos das conexões entre os roteadores e o estado dessas conexões para a definição da melhor rota entre dois nós quaisquer de uma rede.
P
(Provider)
Roteador do backbone da Rede IP Multisserviços que comuta IP/MPLS entre os PE, sem necessidade de sinalização das VPN.
Pacote IP Informação encapsulada para transmissão na rede através do protocolo IP, que adiciona bits de controle e endereços de origem e de destino classificados em 5 classes (A, B, C, D e E), atendendo às definições da IANA.
Partial routing Característica em que parte das tabelas de roteamento é trocada entre dois roteadores BGP.
PE
(Provider Edge)
Roteador de borda do backbone da Rede IP Multisserviços que mantém e divulga as informações das tabelas de rotas das VPN vinculadas, para encaminhamento do tráfego IP oriundo dos CPE associados a cada VPN.
PIM-SM
(Protocol Independent Multicast - Sparse Mode)
Protocolo de roteamento multicast projetado para distribuição em grande escala para receptores esparsos.
Plataforma IP-MPLS
(Multiprotocol Label Switching)
Infraestrutura de backbone provida em tecnologia IP MPLS, em que o protocolo de roteamento é baseado em pacotes rotulados, onde cada rótulo representa um índice na tabela de roteamento do próximo roteador, definido na RFC 3031.
Ponto de Presença do Backbone
(PoP)
Local de instalação de um ou mais elementos do backbone da Rede IP Multisserviços, denominados P (Provider) ou PE (Provider Edge).
Port Security Técnica utilizada para controlar a conexão de equipamentos à porta de um determinado dispositivo de rede de telecomunicações.
Porta LAN Interface física de equipamento, do tipo roteador, que permite a conexão com uma rede local.
Projeto lógico Projeto que documenta e detalha o ambiente lógico (configuração) de conectividade de recurso de rede de telecomunicações ou a ela agregado.
Projetofísico Projeto que documenta e detalha o ambiente físico (infraestrutura) de implantação de recurso de rede de telecomunicações ou a ela agregado.
Protocolo Descrição formal de formatos de mensagem e de regras que dois equipamentos devem obedecer ao trocar mensagem entre si, podendo incluir sincronização, sequenciamento e verificação de erros nessa troca de mensagem.
QoS
(Quality of Service)
Designação para as características técnicas de desempenho de uma rede de telecomunicações, associadas à classe de serviço, capaz de propiciar tratamento diferenciado para diferentes aplicações.
Rack Estrutura fechada, do tipo gabinete, para acondicionamento de equipamentos com padrão de fixação de 19 polegadas e para a instalação da terminação de cabeamento em uma rede local, composto por acessórios de fixação, régua de alimentação elétrica, portas de acesso com tranca e elementos para ventilação interna.
Rede de Telecomunicações Conjunto operacional contínuo de circuitos e equipamentos, que executam as funções de transmissão, comutação, multiplexação ou quaisquer outras indispensáveis à operação de serviço de telecomunicações, incluindo os sistemas de gerenciamento para a sua operação.
Rede Intragov Rede de telecomunicações privativa para a prestação de serviços que atendam às necessidades de comunicação dos órgãos da Administração Pública Estadual e outras entidades de interesse do governo estadual.
RFC
(Request for Comments)
Documentos produzidos pelo IETF (Internet Engineering Task Force) descrevendo protocolos, procedimentos operacionais, tecnologias e inovações aplicáveis à Internet.
Roteador BGP Equipamento que opera na camada 3 do modelo OSI de referência e que utiliza o protocolo BGP para comunicação com outros roteadores.
SAI
(Serviço de Acesso à Internet)
É o serviço que pode ser agregado ao SCM provendo o acesso à Rede Internet para os acessos Intragov através da UPI.
SAO
(Sistemas Administrativos e Operacionais)
Designação genérica dos sistemas internos da Contratada, utilizados em seus processos administrativos e operacionais, que devem interagir com o SAOG, atendendo aos condicionantes estabelecidos no Acordo Operacional.
SAOG
(Sistema de Apoio Operacional e de Gestão)
Sistema projetado para auxiliar os solicitantes dos serviços no relacionamento com a Contratada, que deve interagir com o SAO, atendendo aos condicionantes estabelecidos no Acordo Operacional.
SCM
(Serviço de Comunicação Multimídia)
É o serviço que permite o transporte das informações (Dados, Voz e Imagens) entre as Unidades do Governo.
SCV
(Serviço de Comunicação de Voz)
É o serviço que pode ser agregado ao SCM, oferecendo suporte a chamadas telefônicas através da Rede INTRAGOV entre as Unidades de um OES e entre diferentes OES.
SEG
(Sistema Especialista de Gerenciamento)
Conjunto de sistemas de gerenciamento de redes da Contratada instalados e operados no NOC.
Sessão multicast Conexão lógica entre hosts multicast estabelecida na Rede IP Multisserviços.
SIP
(Session Initiation Protocol)
Protocolo utilizado para estabelecer, modificar e finalizar sessões entre dois ou mais pontos em uma Rede IP.
SNMP
(Simple Network Management Protocol)
Protocolo usado para o gerenciamento de redes TCP/IP, cuja especificação está contida nas RFC1155 (Structure and Identification of Management Information for TCP/IP-based internets), RFC 1156 (Management Information Base Network Management of TCP/IP-based internets), RFC 1157 (A Simple Network Management Protocol), e RFC 1213 (Management Information Base Network Management of TCP/IP-based internets: MIB-II).
Spanning Tree Técnica utilizada para prevenir os congestionamentos broadcast e outros efeitos colaterais indesejados das ligações em loop, padronizado na especificação IEEE 802.1d.
STI
(Serviço de Trânsito Internet)
É o serviço que pode ser agregado ao SCM provendo, além do acesso à Rede Internet, a publicação de conteúdos e serviços (p.ex. Nota Fiscal Paulista, BEC e Sistemas Web da Sec. da Saúde).
TCP
(Transmission Control Protocol)
Protocolo utilizado para transmissão de informação em rede de telecomunicações com garantia de entrega.
TCP/IP
(Transmission Control Protocol / Internet Protocol)
Este termo se refere à utilização do protocolo TCP em uma rede de telecomunicações que adota roteamento IP.
Throughput Característica técnica de um equipamento que traduz sua capacidade de vazão de tráfego de informações, expressa em múltiplos de bit por segundo.
Trânsito Internet Serviço oferecido por um AS, que consiste em prover a outro AS acesso aos demais AS presentes na Internet.
Tunelamento Denominação do processo para o estabelecimento de um caminho lógico (túnel), através da utilização de um protocolo, que visa o encaminhamento de pacotes IP recebidos no início do túnel, onde são encapsulados e transmitidos até o final do túnel, onde são desencapsulados e encaminhados para o seu destino.
UPG
(Unidade Provedora de Gerenciamento)
É uma extensão do NOC (Network Operation Center) da Operadora, localizada na Sede da PRODESP e dedicada ao monitoramento e gerenciamento on-line dos principais Acessos da Rede INTRAGOV e dos elementos utilizados na prestação do SAI, STI e SCV.
UPI
(Unidade Provedora de Internet)
É uma estrutura composta por recursos contingenciados de Firewalls, Filtros de Conteúdo, IDS e IPS, instalada e operada pela Operadora da Rede INTRAGOV em seu Data Center, que viabiliza o acesso à Rede Internet para os OES.
URL
(Uniform Resource Locator)
Endereço de um recurso, do tipo arquivo ou aplicação, na Internet, formado por um protocolo, pela denominação do recurso, pelo domínio e por nomes de diretórios, subdiretórios e arquivos, e pelo número da porta lógica.
UTP
(Unshielded Twisted Pair)
Cabo constituído por pares de fios trançados, não blindados, utilizado para a conexão de computadores a redes, como, por exemplo, cabos com 4 (quatro) pares utilizados em conexões de equipamentos a switches Ethernet.
VPN
(Virtual Private Network)
Rede virtual privada que propicia o tráfego de informações de forma segura, através do uso da técnica de tunelamento com ou sem criptografia.
VRRP
(Virtual Router Redundant Protocol)
Protocolo utilizado para aumentar a disponibilidade de um gateway default através da definição de um roteador virtual que representa dois ou mais roteadores que atuam em grupo (um máster e os demais backups), sendo que somente um dos roteadores detém o papel de máster e realiza o roteamento a cada momento.
White lists Listas de endereços permitidos para recebimento ou envio de mensagens eletrônicas, aplicadas em ferramenta que disciplina o tráfego de mensagens, atendendo a critérios de segurança.

 

Copyright © 2016 - PRODESP - GSN